Donzela desconexa do olhar desconectado


Por onde devo começar a procurar-lhe, moço desejado, querido, desconhecido? Pela aura de tranquilidade perigosa que ronda os bairros desertos ou na agitação constante e insensível do centro da cidade? Pergunto-me, ainda, se eu deveria esperar-lhe resignada da varanda da minha casa, como as boas donzelas dos séculos passados... Mas a ideia me parece desconexa da realidade atual: como seu olhar se conectaria ao meu, estando tão conectado numa rede social?