Inconveniente animador de missas

Os sinos tocam e as coristas cantam
Às dezoito horas de um domingo frio
O sacerdote entra com dois coroinhas
E um velho bêbado vai seguindo o trio

A igreja cheia de fiéis assíduos
Meio embaraçados com a situação
Pois enquanto entoam o hino da entrada
O bêbado rebola com animação

Uma boa moça tenta ajudar
Conduzindo o homem até um assento
Ele se espreme entre senhoras castas
Que franzem o cenho de aborrecimento

O padre inicia a celebração
Pedindo aos fiéis que repensem a vida
Entre os mudos arrependimentos
O bêbado narra o caso com a bebida

“Entenda, Senhor Seu Padre
Que os meus remorsos o vinho retém
Mas só até a terceira dose:
Depois da quarta as confissões já vêm”

Como os demais clamam por silêncio
O bêbado resolve dormir um bocado
Nesse meio tempo uma criança chora
E ele desperta ainda mais animado

Na hora do salmo faz fundo de ópera
Aplaude mais forte que o necessário
Reza com um fervor quase convincente
Diz que ensinou o terço ao vigário

Assim prossegue até que acabe a missa
Que é quando decide subir no altar
Agradece a todos a nobre presença
No próximo encontro promete voltar