Ela deve ter algo a lhe contar

É noite. O Vento adentra a janela assoviando baixo, como se segredasse ao único corredor do casebre por que se deu o trabalho de ir até ali. O Velho ouve atrás da porta. Não entende a linguagem dos ares viajantes, mas pressente o motivo da visita: era um aviso. A Morte vinha chegando.

— Pois entre que eu estava lhe esperando — diz o Velho com voz rouca e sem emoção.

Nenhuma resposta. O Vento já havia silenciado.

— Entre, encontre-me, leve-me. Estou dizendo, leve-me. Eu sei que você está aqui — tenta outra vez o Velho no mesmo tom indiferente, e outra vez não recebe o retorno de suas palavras nem algum sinal de que estivesse acompanhado.

Então ri. Uma risada pausada, fria. Uma risada que ecoa pela sala — um cômodo pequeno que é o maior dos três cômodos da casa.

— Como quiser, Madame — provoca ele, agora com um gesto pomposo e certo sarcasmo, e ainda se dirigindo à suposta presença da Morte. — Acho que eu seria capaz de lhe pedir em casamento se hoje eu estivesse certo quanto ao prazer da sua visita. Mas deve ser a décima sétima vez que você vem... e não vem, não é mesmo? Tudo isso é vergonha? Ora, não seja tímida, querida. Mostre-me sua bela face! Sua bela face enrugada, cinzenta e pútrida! Exale o cheiro do tempo, emane sua essência que nada mais é que a mistura de almas roubadas!

Aguarda um movimento, mesmo que quase imperceptível, espera um som abafado qualquer. Em vão. O mesmo silêncio desesperador de sempre. 

Ele pousa um copo com um resto de líquido na mesinha de centro e levanta-se da poltrona esfarrapada. O teto é baixo. Com a mão, o Velho alcança o lampião suspenso por um fio de arame que balançava fantasmagoricamente no ar, para lá e para cá, desde que o Vento viera contar uma mentira. Imobiliza-o, e percebe que sua chama já está fraca. É hora de ir dormir.

Não, não, não! É hora de a Morte vir buscá-lo!

— O azar é seu — diz o Velho, olhando fixamente para o nada. — Eu ia lhe tirar para dançar. Qual foi a última vez, Dona Morte, que lhe tiraram para uns passos de valsa? Era justamente o que eu ia fazer, depois de afastar para o lado esta velha poltrona e ir até o quarto alimentar a vitrola com um pouco de música. Não, a última parte é papo furado. Eu afastaria a poltrona para o lado, sim, mas para que música? Dançaríamos em silêncio, ouvindo os sons da noite. Depois você me levaria para a cama, a sete palmos do chão.

O Velho desvia o olhar do ponto fixo que escolhera para dirigir seus comentários, e torna a se sentar.

— Eu sabia ser romântico, Dona Morte, quando era moço. Mas veja só a ironia: eu nem sou tão velho assim! Foi o peso dos meus erros que me arcou a coluna, foi o medo das manhãs que branqueou o meu cabelo, foi a agonia do presente que sensibilizou minha pele. E sob esta pele não há mais esperanças. Só sei esperar por você.

O Velho diz a verdade. Mal tem cinquenta anos. Foram os desgostos da própria existência, somados às circunstâncias nas quais ele nunca vê um lado bom, que o tornaram assim. 

— Nem meus desejos mais estúpidos podem ser realizados. Grande novidade!

Vai deitar. A luz fraca projetada pelo lampião na sala não chega ao seu quarto, e, como ele mora sozinho, no meio do nada, nenhum outro possível inconveniente atrapalha a chegada do seu sono.

Não, o sono não chega. Assim como a Morte não chegou. Mas, naqueles minutos delirantes, onde não se sabe se o que está na cabeça é sonho ou pensamento avulso, ele ouve o Vento adentrar os corredores outra vez. Na sala apaga a luz, no quarto contorna a cama e se aproxima. Toca-lhe a pele, num sopro revigorante, e sussurra-lhe ao ouvido:

“A Morte manda avisar que não veio buscá-lo hoje porque a entrada estava bloqueada para ela. A Vida, forte e plena, lá de fora a impedia. Se quiser satisfações, vá de encontro com esta segunda senhora. Ela deve ter algo a lhe contar.”

10 comentários:

  1. Gostei bastante Lari. Não sei se essa foi a mensagem que você quis passar pois sou um pouco lerda, mas quantas pessoas não ficam por aí, apenas esperando a morte e reclamando da vida quando podiam estar fazendo algo produtivo? Eu mesma sou uma dessas pessoas, as vezes.
    O ultimo paragrafo foi perfeito.
    http://u-nshaken.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qualquer interpretação é válida, e a sua, por sinal, foi muito boa! Em especial para nós, adolescentes, que vivemos reclamando de tudo e de todos, haha...

      Excluir
  2. Ei ei, ansiedade pela reação da Dona Morte, mas apreensão e decepção pela simples desistência do velho, acho que todos tem esse momento, não? Mas, para mim, no momento é banal não ter ambições e apenas esperar o gélido toque da Senhora com a foice.

    Lindíssimo *-*
    xoxoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez, mas vai ver o "Velho" ainda tinha muito a viver...

      Muito obrigada!

      Excluir
  3. Profundo. Achei tão lindo, Lari. A vida emana e cria raiz em tanta gente, que ao invés de procurar tentar achar boas maneira de seguir a vida e fazer algo produtivo, só pensa em se abater e ficar recluso no canto pensando nos "E se..." da vida, e se atormentando ao perceber que a vida não foi nada do que imaginou. Reflexivo. Amei!
    Sel do Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Sel! Bom seria se todos conseguissem ver o lado positivo mesmo nos momentos ruins, então simplesmente sorrissem, vivendo um dia de cada vez e agradecendo por cada dia vivido... (Ah, e obrigada ♥)

      Excluir
  4. Me senti assistindo ao velho por um espelho, em que eu poderia toca-lo se quisesse. Adoro como você descreve as cenas. Muito mesmo, adoro essa sensação de estar dentro da história. Obrigada por me dar esse pequeno prazer.
    Até breve,
    Mariana Nascimento.
    sendopeculiar.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, e a você eu agradeço a visita e o comentário encantador/inspirador ♥

      Excluir
  5. que perfeição, meu Deus!
    fiquei presa na história. Está tão boa! Adorei tanto!
    Não tens noção do quanto eu gostei.
    A história está perfeita, não mudava nem uma virgula

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu tenho noção do quanto seu comentário me deixou contente ♥

      Excluir