Todas as lembranças desta terra

Dona Maria é um nome comum a todas as lembranças desta terra
Casaco de lã marrom até a altura dos quadris
Vestido floral até a altura dos joelhos
Meias brancas, com elástico frouxo, pelas canelas
E nos pés, chinelos de couro

Dona Maria é a essência encarnada
de tudo aquilo que não quis morrer

Pele frágil, queimada de sol
Cabelos ralos, com a cor do tempo
(O tempo que voa, o tempo que volta,
tempo que liberta, prende e revolta...)
Seus olhos azuis perscrutam o horizonte e alguma coisa que não vejo
Alguma coisa de que não lembro
Alguma coisa que não vivi
Com o olhar Dona Maria resgata o que quer que tenha encontrado
E me apresenta através da voz enevoada
Que narra o passado

Eu a ouço
Junto ao som do vento...
Sou menina moça,
Sou aprendiz do Tempo
Lembrando o que não lembro
Vivendo o que não vivi