Uma cruz na beira da estrada

Na beira da estrada
Que vai para o Norte
Há uma cruz cinzenta
De pequeno porte

Vem-me, quando a vejo,
Uma impressão forte
Penso sobre a vida
Penso sobre a morte

Penso na imprudência
Ou falta de sorte
Do dono da cruz
De pequeno porte

7 comentários:

  1. Boa tarde Lari..
    maravilhosa poesia..
    bela mesmo pelo jogo de palavras
    a descrever algo que perturba a todos..
    sempre que passo tb me pergunto..
    quem foi que pelo caminho ficou..
    mas no fim todo ficamos onde escolhemos ficar... bjs e lindo dia

    ResponderExcluir
  2. Toda vez que viajo e vejo alguma cruz pela estrada, também me sinto assim e faço esse tipo de reflexão.
    Adorei os versos. <3 Beijo de luz.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo. As rimas ficaram tão boas, e os versos tão simples.Você só tem melhorado sua escrita <3. {Emilie Escreve}

    ResponderExcluir
  4. A morte me remete a mais coisas do que a vida. Consigo me entediar pensando na vida, apesar de ser apenas um ponto de vista e ser muito relativo a maioria dos "fatos", é mais fácil, é mais fácil se enjoar com a vida do que não se interessar em refletir sobre a morte. Não sei bem o motivo, mas o "porte da cruz" fez os versos terem mais relevância.

    af, chega de viajar, lindos versos ♥

    ResponderExcluir
  5. Compartilho desse sentimento.
    Não preciso de muito pra mergulhar em reflexões profundas, quando estou na estrada e vejo essas cruzinhas então, imagine.

    ResponderExcluir
  6. A morte é privilégio de poucos. A grande maioria nem sequer vive a vida.
    GK

    ResponderExcluir
  7. Pois é, sempre há reflexão sobre estas cruzinhas que vemos em estradas.
    Belo Blog.

    ResponderExcluir