Luto solitário

O cachorro está de luto
Pelo dono que morreu e ninguém notou
Pelo dono que viveu e ninguém notou
Uiva um uivado comprido
Um uivado sofrido...
Até que um fantasma manda-o se calar
"Onde já se viu essa cachorrada solta
Acordando o povo às três da manhã?"
O cachorro então ladra baixinho
Chora pelo dono que viveu e morreu e ninguém notou
Chora pelo dono que sofreu e ninguém notou
Só ali pela manhãzinha
Apontam o corpo no chão
"Que horror, tirem o defunto dali!"
O defunto que, quando não-defunto,
Já era um peso morto
Já era um filho torto
Da pátria que muito pare, mas nem sempre pode cuidar