Travessia


Sou refugiada de mim mesma
cruzando os mares de minha existência
— infinitas águas de mistério,
algumas ilhas de lucidez —
consciente de que, na outra margem,
me espera a morte

Eis a sorte de quem vive.