Amplidão


Fui tomada por uma convicção. 

Subi, subi rumo ao mais alto mirante da minha razão, determinada a, lá de cima, vislumbrar minha essência. Eu desejava entender a forma como meu passado me moldava... Enxergar meus caminhos como num mapa: ver onde é que os retos se entortavam e os tortos se endireitavam, ver como os estreitos se desembocavam nos de espaço amplo e como estes, de repente, se subdividiam em duas ou três outras passagens. Observar o fluxo dos rios salgados por lágrimas vãs, as árvores frutíferas dos meus esforços, as montanhas de momentos bons que recebi e fui guardando com carinho. Estudar-me com afinco, entender-me por completo; só assim eu nunca mais erraria em relação a mim mesma. 

Esqueci-me, contudo, de que a amplidão do ser não se esquadrinha racionalmente, de modo que, uma vez no mais alto mirante da minha razão, só vi névoa, névoa e névoa...

No desespero, atirei-me no abismo que não via. Enquanto eu ia caindo, a névoa ia sumindo.

9 comentários:

  1. Eu nem sei o que dizer, seu texto ficou lindo demais!
    As fotografias e o texto se uniram de um jeito espetacular.
    Parabéns parabéns.
    http://viagem-a-terra-do-nunca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Consegui imaginar alguém e seus pensamentos na forma de um mapa, seu texto está fantástico, lindíssimo. Faz-me lembrar das aulas de geografia (eu gosto de geografia, muitas pessoas acham chato). Suas fotografias também estão belíssimas! Esses lugares enevoados são inspiradores para criar-se uma aventura.

    xoxo | o lar da senhorita

    ResponderExcluir
  3. Uma delícia de texto que me despertou belas imagens e reflexões também. A razão é incapaz de entender a grandeza dos sentimentos, prudente demais para nos trazer grandes descobertas quanto a nós mesmos, nesse caso é imprescindível jogar-se abismo abaixo e ir sentindo até que a névoa finalmente se dissipe.

    Mais uma vez, belo texto e belas imagens. Parabéns!
    Bjs, Larissa.

    coracaoaflordapele.blogspot.com
    semprovas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Todo ser humano é um labirinto onde em regra ele mesmo eis perdido.
    GK
    Não sei se já te disseram, amiga, mas vc pontua muito bem, coisa que hoje em dia não é lá muito comum de se ver por aí.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo7/1/16

    Com toda essa vontade de conhecer,isso vai acontecer. Penso que deverias ler Albert Camus.
    Bons dias em 2016.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela dica, procurarei por obras do autor.

      Desejo-lhe o mesmo!

      Excluir
  6. Inspirador divagar, gostei! Abraços, Larissa.

    ResponderExcluir
  7. Ia esquecendo... Belas fotos também, combinou, deu clima ao texto.

    ResponderExcluir