Das dores

Os pés pequenos davam passos rápidos; caminhava determinada. No meio do corredor, contudo, parou. Abruptamente. Era a incerteza que lhe caíra como um raio: “O que é mesmo que eu ia fazer?”. Pelejou por uns momentos, tentando se lembrar do seu objetivo, e nada. Ah, a idade... a bendita idade... Ia retomar o caminho por onde viera, talvez para acomodar-se na sala e cochilar um pouco, quando a campainha tocou.

A campainha! Claro!

Voltou a caminhar com determinação, já se preparando para ralhar com o filho que saíra para andar de bicicleta havia seis horas e não voltara até então. Abriu a porta, energicamente, mas o rapaz que esperava na soleira era bem mais velho que seu filho. Encarou-o, confusa.

— A senhora é Clara Andrade das Dores?

Ela confirmou com a cabeça. (Boca aberta. Ainda confusa.)

— Ok. Assina aqui pra mim, por favor.

De tão desorientada que estava, ela pegou a prancheta que o rapaz lhe estendia e assinou, no papel, onde devia assinar, mesmo que não soubesse por quê. O rapaz, assim que pegou de volta prancheta, caneta e papel, lhe entregou um pacote, agradeceu e saiu.

Ela não fazia a menor ideia do que havia no embrulho. Ao mesmo tempo curiosa e perturbada, abriu-o ali mesmo, na soleira, diante da porta que acabara de fechar. Depois do papelão, do plástico-bolha e do papel pardo, havia um belo porta-retrato.

Lembrava-se agora.

Fizera o pedido pela internet. Escolhera, cuidadosamente, a moldura que agora ficaria na estante, contendo a fotografia do filho.

Secou com o punho o canto do olho. Por que pensara que a campainha significava o retorno do menino? Ele não faria cerimônia para entrar em casa, com os pés sujos, correndo para o quarto e ficando lá até a hora do jantar. Por que tocaria a campainha?

Mas, sessenta anos atrás, a campainha tocara. Clara atravessara o corredor com determinação, já se preparando para ralhar com o filho que saíra para andar de bicicleta havia seis horas e não voltara até então. Abrira a porta, energicamente, mas o homem que esperava na soleira era bem mais velho que seu filho. Olhava para baixo e segurava, com uma mão só, uma bicicleta pequena e toda torta.

Ora, sessenta anos... Sessenta!

Foi até a sala, abriu a gaveta da mesinha de canto, tirou uma bonita fotografia em preto e branco de dentro dela e a colocou na moldura.

Deu um sorriso triste. Foi cochilar um pouco.

9 comentários:

  1. Quando crescer quero ser escritora que nem você! Fico impressionada com a precisão e inteligência com que escreves Larissa, já pensou em ser escritora? Acredito que este é seu futuro menina, você nasceu para escrever, este é teu dom maior! Parabéns!
    Obrigada pelo carinho de suas palavras e seja sempre muito bem-vinda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muito obrigada! Eu é que agradeço por este comentário tão maravilhoso! Já pensei em ser escritora sim, mas, por hora, vou ficando com meu "bloguinho", haha.

      Volte sempre aqui também ♥

      Excluir
  2. A idade saibamos saudar sem saudade.
    GK

    ResponderExcluir
  3. Caraca, eu tenho que falar: que texto impressionante. Não sei se é apenas pela história, mas acho que foi pela forma que você escreveu, que é excelente. Fiquei boquiaberta com o final e não sabia o que comentar aqui ali de parabenizar você pelo trabalho. Parabéns, viu?
    Beijo,
    paraisodemenina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Este é aquele tipo de texto em que lemos e logo após não sabemos o que dizer sobre ele. Apenas podemos reconhecer que com toda a certeza é um belo texto. Poxa, que palavras bem colocadas! Que ideias bem organizadas! Que descrição da situação perfeita! E que final surpreendente! Meus parabéns!
    Beijos

    http://milimetrosegundo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que triste, que lindo testo. Habilmente escrito. Muito bem colocada as palavras em crescendo, inesperado desfecho. Muito bem colocado. Tudo muito harmônico, um primo! Parabéns! Impressionado! Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde querida Lari..
    a vida é uma escola e muito nos ensina...
    quando passamos no papel o que sentimos nos libertamos e ajudamos a libertar..
    logo mais tenho coisas pra te mandar..
    consegui baixar o álbum de instrumentais do acdc..só coisa boa
    mandarei a vc ok.. bjs e feliz dia

    ResponderExcluir
  7. ❤ ❤ ❤ tão lindo
    você escreve de um jeito incrível e que nos faz imaginar cada pedacinho do texto

    ResponderExcluir