Residual


Este chão ainda não varrido
coberto com fios do meu cabelo
Os móveis, com uma camada clara
da porção da minha pele que virou poeira
Meu travesseiro, meu colchão,
impregnados de tudo o que meu subconsciente,
quando adormeço,
acha insensato reprimir

A cada metro quadrado,
mil resíduos de mim

Como é que ainda existo?
Como ainda não me desfiz?

12 comentários:

  1. Lari, que coisa linda! ♡
    Quando vai publicar um livro com teus textos e poesias?
    Pois eu quero muito um exemplar ☺

    Este me fez lembrar uma frase que sempre digo:
    "será que eu existo ou insisto?"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que comentário mais lindo ♥ Mas ó, do jeito que sou enrolada e indecisa, esse livro só vai sair daqui a uns dez anos, viu... Haha! Beijos!

      Excluir
  2. "Como ainda não me desfiz?" também me faço essa de vez em sempre, de vez em nunca...

    Bela reflexão, Lari!!

    ResponderExcluir
  3. Eu compraria um livro seu só por esse poema <3

    ResponderExcluir
  4. Tive que comentar! Admiro sua facilidade com poemas, eles fluem como se fosse normal falar assim... Confesso que me identifiquei um pouco também! (não posso deixar o Anderson ler isso rs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Wal! Fiquei muito feliz por você ter se identificado, mas concordo: não deixemos o Anderson ficar sabendo, haha!

      Excluir