Poema amanhecido


As palavras que escrevi antes de dormir
(aquelas que me pareceram tão bonitas),
enquanto eu dormia,
se embebedaram, se drogaram, se acabaram

Quando da ressaca matutina,
não havia lirismo quando reclamavam de dor,
não havia emoção em suas vozes engroladas,
nem beleza, sob suas olheiras roxas

Suspirei fundo. Paciência.
Lápis e papel:
vamos lá outra vez...

5 comentários:

  1. Tu me tira o sossego, faz meu espirito viajar nessas tuas palavras e imagens, sem tempo nem desejo de voltar.

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Lindas palavras! O poema me fez refletir, isso é tão bom. Ah, as imagens estão lindas.
    Já estou te seguindo, poderia retribuir o carinho, seguindo o meu?
    Beijos
    http://palavrass-ao-vento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. A poesia é o exprimível sonho doce do que, se dizível fosse, se diria.
    GK

    ResponderExcluir
  4. Se não havia emoção nem beleza com essas palavras, imagine com esses dois ingredientes. Não sei se extrapolei, mas me vi várias vezes nessa situação. Quando fecho os olhos, ao deitar, imagino as palavras e o texto me vem naturalmente, mas quando acordo, ele se já se perdeu em algum lugar, daí invento outro.

    ResponderExcluir