Véu


Sempre o vi através de um véu de surrealidade:
somente um vulto,
quando o olhava de viés

Ou era em seus pés
que meus olhos pousavam
como que medindo os passos
que separavam
minha própria realidade
do que era óbvio, claro, fato
— mas que eu via opaco

Ou não via.
Ou fingia que não via.

12 comentários:

  1. O medo invisibiliza o que salta aos olhos.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Fico pensando se não fazemos, às vezes intencionalmente, isso.

    https://etourdiment.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que sim. Nem tudo o que fazemos faz sentido...

      Excluir
  3. Simplicidade e beleza unidas para um mesmo fim, poesia e fotografia, me parece que a tua essência é assim. Então isso faz todo o sentido pra mim.
    Saudações e uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei definir minha essência, mas gostei da definição que você deu a ela... Obrigada!

      Boa semana para você também :)

      Excluir
  4. Eu fico encantada como seus textos, com poucas palavras, dizem muito.
    Acho que cobrimos a realidade com esse véu mais do que deveríamos.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por vezes, parece, de fato, a melhor alternativa... Mas nunca é.

      Obrigada pelo comentário! Beijos!

      Excluir
  5. Acho que muita das vezes temos medos do que poderíamos ver além desse véu.
    Primeira vez em seu blog, e eu gostei muito desses seus versos — e de suas fotos, que são de uma simplicidade cheia de beleza.

    Beijos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e como temos...

      Obrigada! Apareça sempre por aqui ♥

      Beijos!

      Excluir
  6. Esse véu me fez pensar. Coloquei ele como uma barreira, sabe? Fiquei pensando e sua poesia realmente ficou linda. As imagens deram um toque muito gracioso, eu adorei ♥
    Com amor, Lua do Mar ♡

    ResponderExcluir