Reflexos


As luzes do semáforo refletiam-se alternadamente no asfalto molhado... Pareciam apenas se distrair com suas próprias cores, posto que, já havia um bom tempo, nenhum carro passava para que ordenassem parar ou seguir. A moça, da touca de lã amarela, das bochechas vermelhas de frio, dos olhos verdes e vazios, também se distraía; um toldo que pingava ao seu lado é que lhe prendia a atenção.

Uma, duas, três. Quatro gotas. Logo dez. Logo trinta.

Final de tarde, ninguém na rua e aquele céu que ameaçava se derreter em chuva outra vez.

Amarelo, depois vermelho, depois verde... Nenhum carro. Ninguém.

Somou-se ao som das goteiras o dos saltos na calçada. Toc, toc, toc. Frustrada, voltava para a casa.

19 comentários:

  1. Larissa, que texto mais singelo. Gosto de quem consegue exprimir essas sensações diante de tudo e, principalmente, diante da natureza. Simplesmente belo.

    Que blog encantador! Parabéns pela qualidade de tudo (textos e fotografias).

    Boa semana.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito, muito obrigada, Aline!

      Abraços! E boa semana para você também 😘

      Excluir
  2. Num noir no ar, corações trotam seu trottoir.
    GK

    ResponderExcluir
  3. Não seja tão perfeita, tu perde a graça! Eu gosto de pensar na tua imperfeição que me encanta, como todo o brilho e o sorriso nos teus olhos que tu não mostra. A cor das folhas e o cristal da vida nessas gotículas, pode haver coisas mais humanas que teus versos, imagens e a tua voz que canta?!
    Uma boa semana, abraço no tu coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário tão bonito! Muito obrigada, Carlos, mesmo!

      Abraços e uma ótima semana para você 😊

      Excluir
  4. Belo texto, Larissa!
    Adoro as tuas descrições e como você nos solta a imaginação. Os detalhes são cativantes.

    Beijo grande!
    Blog: *** Caos ***

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadíssima, Helena!

      Beijos e uma semana linda para você 😊😘

      Excluir
  5. Não sei se é um apenas um delírio egocêntrico da minha parte, mas, deste imenso universo de escritores virtuais, a que eu percebo que possui um estilo mais parecido com o meu de escrever é você, Lari. Dizem que escrever é um ato essencialmente egoísta, pois escreve-se o que se quer ler. Talvez seja por isso que gosto tanto de te ler. Além do talento, você me lembra muito minha forma de escrever e dispor as palavras. Eu me vejo escrevendo suas palavras.

    Não sei se você concorda com isso também, se não, desculpe pela presunção rsrs

    Beijos, passe bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou me permitir concordar porque me senti muitíssimo honrada com a comparação (muito obrigada!). Eu também gosto tanto dos seus escritos, Vitor... E gosto dos paralelos criados com filmes; inclusive, já estive indicando seu blog para uma amiga cinéfila 😉


      Beijos 😘

      Excluir
    2. Ah muito obrigado pela indicação, Lari :-)

      Estava pensando em dividirmos um texto, o que acha? A primeira parte sua e a outra minha ou vice-versa rsrs Um pequeno conto, crônica, o que achar melhor.

      Excluir
    3. É uma ideia ótima! Uma hora precisamos fazer isso mesmo 😊

      Excluir
  6. Perfeito, Larissa. Me perdi contando as gotas de chuva que caiam do toldo. Envolvido naquele final de tarde podia ser qualquer um. Alguém que se permitisse olhar o reflexo das luzes do semáforo e contar as gotas num fim de tarde chuvoso. Coisas que dificilmente se conta pra alguém. Por isso vira conto, vira poesia, vira foto, filme...

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim mesmo, Dave...

      Muito obrigada!

      Abraços! Boa sexta para você!

      Excluir
  7. Oie, tudo bom?
    Cara, o ambiente desse texto é muito interessante, eu ia adorar ele pq na minha cidade faz um tempão que não chove T.T
    Isso me lembra aqueles momentos dentro de ônibus que paramos pra pensar na nossa vida, com a cabeça encostada na janela olhando pro nd e pensando em tudo.
    Adorei o texto <3

    sessão proibida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo, e você, Lunii?

      Faz tempo que não chove aqui também 😐 Do jeito que estava o céu, até achei que hoje teríamos um tempo chuvoso, but... fui iludida.

      Ótima comparação!

      Muito obrigada 😘

      Excluir
  8. Eu gosto dos contos longos, dos enredos com fases bem definidas. Início. Meio. Fim.

    Mas há momentos e divagações aleatórias que não necessitam de desfechos. A chuva, poética por si só. Vem de repente, some sem cerimônia. Porque eu iria querer dezenas de parágrafos se você consegue envolver tanto sentimento, um cenário longo e uma protagonista - quase que ausente - que se aproxima tanto do leitor?

    Eu aqui, na sala de casa, com a TV tocando Shakira (porque eu tenho os meus momentos que largo mão do Indie), de moletom até o pescoço e sem muita vontade de fazer o que eu tenho que fazer, parei pra ler os outros comentários - curiosidade de infância que desde o início da faculdade tornou-se desculpa esfarrapada com o "curiosidade de jornalista" -, e vi o do Vitor Costa: "Dizem que escrever é um ato essencialmente egoísta, pois escreve-se o que se quer ler. Talvez seja por isso que gosto tanto de te ler." Como pode alguém sentir tão bem a mesma essência que a gente, né? Aqui, tentando escrever sempre que posso, com amor cada vez maior às palavras, eu ainda me inspiro em você, ainda crio histórias aleatórias com desconhecidos aleatórios, ainda olho a chuva com olhos sonhadores.

    Eu te leio, como o Vitor disse, porque às vezes é como se lesse a mim mesma. Egoísmo por egoísmo, me redescubro quando me leio, me renovo quando te leio. Obrigada por escrever.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você me fez um bem enorme com esse comentário, Sel... Obrigada infinitamente, obrigada por ser tão gentil 💕

      Excluir
    2. Muito pertinente seu comentário, Selma. Adorei!

      Excluir