A força da força gravitacional

As cadeiras estão postas
para que nelas depositemos nossas frustrações
É para isso que foram feitas as cadeiras
que evoluíram nas camas
que recebem, todas as noites,
os corpos cansados
transbordantes de angústia
a sujarem os lençóis brancos

Tão brancos.
Tão limpos.

Maculemos as coisas todas
com a nossa descapacitação à felicidade...
Esperaram muito de nós.

16 comentários:

  1. de fato, esperam muito de nós.

    ResponderExcluir
  2. A gravidade até, de grave a vida, se agrava ao pé.
    GK

    ResponderExcluir
  3. Que intenso! Amei a percepção do humano que você traz a partir do ponto de vista dos objetos. A criatividade mora no inconsciente e você a traz à tona com maestria.

    Beijos,

    Algumas Observações

    ResponderExcluir
  4. Wow! Que belo, Larissa. Como a gravidade a vida nos dobra a cada instante, até o derradeiro momento, onde não haverá felicidade, como também nenhuma diferença mais entre o em cima e o embaixo, vertical e o horizontal...
    Parabéns.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadíssima, Dave 💗

      Abraços e excelente semana para você!

      Excluir
  5. Nossa Lari. Extremamente forte. uaushaus, e não posso deixar de concordar. De certa forma, acabamos deixando este rastro de infelicidade em todos os lugares, quando a transbordamos!

    ♥ www.acessopermitido.com

    ResponderExcluir
  6. Anônimo14/12/17

    Teu poema me lembra as reuniões de natal, penso que teu alcance é imenso, mas cada um sabe o que sente e eu sei que gosto dessa pessoa que tu é.
    Grande abraço no coração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada mesmo!

      Outro para você 😊💗

      Excluir
  7. Eu adorei o seu poema. E ele me lembrou um pouquinho um livro que eu li, "Fantasias Eletivas", que tem poemas em que a personagem cria sentimentos para objetos não inanimados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei curiosa a respeito do livro; vou procurar saber mais sobre ele 😊

      Obrigada, Ana!

      Abraços!

      Excluir
  8. Anônimo20/12/17

    Me parece ver a humanidade nos teus versos, sofrendo o amargo de uma escravidão que desconhece.
    Boas festas e alegrias que te cabem por direito.

    ResponderExcluir