Contrassusto

As coisas que caem do quarto de cima
atravessam o teto
e me perfuram o peito
e se cravam profundas
neste cemitério de hojes
cheio de ontens-e-amanhãs fantasmas
que se espantam com os projéteis
tombando entre as lápides
com os projéteis a fazer um estrago danado
ao assombro que causavam
neste corpo cansado
que se assusta com os fantasmas
e mais ainda
com o que é derrubado
no quarto de cima.

8 comentários:

  1. A vida é um cemitério de ontens, em cuja floricultura à porta freqüentemente gastamos fortunas.
    GK

    ResponderExcluir
  2. me fez sentir algo que não consigo descrever ❤
    ps: salvei nos favoritos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que linda ❤ Obrigada, Gabi!

      Excluir
  3. Anônimo30/4/18

    Entre todas as dimensões o alcance da tua voz poética sempre me parece instintiva, o que faz dela a bela de sempre.
    Abraço e uma linda semana pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadíssima!

      Abraços e uma semana maravilhosa pra ti!

      Excluir
  4. Larrissa,

    Admiro muito tua escrita poética, flui naturalmente quanto teus contos.
    Sempre dá vontade de tentar escrever um poema também. Excelente inspiração!

    Obrigado pela última visita e espero que o feriado lhe traga as melhores inspirações.

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito, muito obrigada, Dave! Tente sim: tenho certeza de ficarão incríveis 😉

      Abraços e ótima semana para você!

      Excluir