Carta n° 3 (fragmento)

[...]

Estivemos a conversar sobre as fadas que habitam o Monte Destino. Falamos baixo, naturalmente: as paredes sempre tiveram ouvidos, mas agora desenvolveram línguas e pernas e saem a fofocar por aí. Dia desses, mal se contiveram ao ouvir uma novidade que eu narrava a Suzi: iam correndo repassá-la à última casa do quarteirão. Só se seguraram porque, naquele instante, também o teto precisava ser segurado.

Pois bem, conversávamos sobre as fadas do Monte Destino... O fato é que a rainha delas esteve adoentada, e uma sua sobrinha vinha conspirando contra as primas princesas para tomar-lhes a posição de herdeiras. O próximo passo seria apressar o fim da tia, mas os planos todos foram vetados quando denunciaram suas tramoias. Creio que teve a cabeça arrancada. Suzi duvida, acha que tamanha violência não condiz com a pureza dos seres místicos. Pura é Suzi, e eu a invejo por isso.

Vlad, Vlad... As horas aqui não passam. Escrevo cartas para tentar matar o tempo que me mata. Agradaria-me mais cortar-lhe a cabeça como fizeram à sobrinha real, mas falta fio à ponta da caneta e a caneta é tudo o que tenho. (Seriam necessários golpes demais para causar o mínimo estrago.)

No mais, sinto sua falta. No mais, que é o todo, que é tudo. Perdoa-me os supostos delírios e mantenha os olhos bem abertos. Em dias como estes, ciscos serão o menor de seus problemas.

Com amor,
Laetitia.

8 comentários:

  1. As paredes têm ouvidos deste lado delas em que estamos. Já do outro, isso sim, têm línguas afiadas e sempre prontas a dar nos dentes.
    GK

    ResponderExcluir
  2. AAAAAAH menina! teu jeito me conquista sempre sempre. muito amor pelas tuas escritas

    ResponderExcluir
  3. Que post mais lindo!
    No fim, é tudo sobre a falta e a presença do amor.

    Beijos,

    Algumas Observações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!

      É sim... Na literatura e na vida 😊

      Beijos e bom restinho de semana para você!

      Excluir
  4. Li a Fernanda mas pensei que no fim tudo começa, e tu é sempre isso, quando eu penso que adoro o que tu escreve, tu te faz maravilhosa!
    Onde posso ler a 1 e a dois? Estive ausente e exclui o blog,. mas quando te leio sinto vontade de praticar o que tu gentilmente ensina.Tu tens um talento que brota da terra como brócolis, cerejas, videiras e flores para abelhas.
    Eu realmente gosto dessa pessoa que escreve o que tu é. Quando pode ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata, Ney 💗

      Então, a verdade é que as cartas anteriores... não existem. Quero dizer, existem no plano ficcional, mas gosto de pensar que elas não foram encontradas. Essa que postei me surgiu espontaneamente, como um achado, e eu pensei que devia transcrevê-la ainda que não saiba bem quem são Laetitia, Suzi e Vlad. De qualquer forma, são personagens a serem delineados (assim como o cenário e seus dramas) através de outras cartas que eu for "reunindo". Talvez a próxima seja a décima, e tenhamos um vácuo de seis correspondências... Talvez não.

      Enfim, adoro essa coisa que é a ficção e adoro ter leitores tão gentis como você!

      Abraços e uma excelente semana 😘

      Excluir