"... and nothing more"

As unhas são roxas
desse frio interno
e da saudade eterna
de outras mãos mais quentes.

Habitam-me os extremos da Terra
onde os dias têm durações estranhas
as paisagens sãs monótonas
e o clima é inóspito:
neva, neva, neva.

Isolo-me nestes confins
e sei mentir quão bem estou.

(As unhas me contradizem,
sinistras como um corvo de Poe:
"Never, never, never".)

12 comentários:

  1. Lembrou-me de um sentimento que não sinto saudade.. mas a falta que faz...

    Adorei seus versos.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre contraditório "ser" e "sentir", não?

      Obrigada 💕

      Beijos e um fim de semana lindo pra ti!

      Excluir
  2. Unamos as mãos num à mão não aos nãos.
    GK

    ResponderExcluir
  3. de certa forma, identifiquei-me com teu poema (e ao mesmo tempo que este me fez sentir melancólica, o conforto que me passou não foi pouco). tu escreve maravilhosamente bem e eu amo demais teu blog <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que linda 😍 Muito obrigada mesmo, Joana!

      Abraço enorme 💗

      Excluir
  4. Anônimo8/9/18

    A Joana tem razão tu nos faz sentir tuas emoções, como se fossem chuva que corre pra dentro da gente. Tua poesia tem tudo de voz, sons e beleza.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comparação linda, obrigada por ela (e pelo comentário todo)!

      Desejo o mesmo a você 💗

      Excluir
  5. Olá Larissa,

    Interessante, mesmo que parecendo óbvio, nunca tinha parado para pensar como saudade é um sentimento frio, mesmo quando as lembranças são ensolaradas. Frio, portanto com uma cor, roxa. Frente à qual todo sol é glacial.

    Segue você materializando com tanta leveza roteiros futuros pra escrita de novas(velhas) (e)histórias.

    bjs e bom FDS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O simbolismo das cores sempre permite muitas possibilidades poéticas, tais como as expressas também em suas palavras: comentário lindo! Grata 😊

      Um domingo e uma semana ótimos para você 😘😘

      Excluir
  6. Oi, Lari!
    Que poema mais intenso e que intensidade mais bonita!
    Ele é bem um reflexo dessa camuflagem que a gente se obriga a viver nessas eras de redes sociais. Só um olhar muito atento para reparar no roxo das unhas, no roto do coração.

    Obrigada por se abrir em tanta sinceridade!
    Beijos,

    Algumas Observações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Fernanda!

      Adorei a visita e a interpretação dos meus versos 😊

      Beijos 💗

      Excluir