O presságio das longarinas

Longarinas flutuam
entre palavras que acho bonitas
mas que não sei bem o que significam.
No barco da estética,
estendo a mão sobre ondas de poesia
cujo som ressoa nos cílios
de crianças semiadormecidas.
O ressonar das crianças é o ritmo das ondas.
As palavras que ainda não dizem
são o fundo obscuro deste oceano em que navego.

Um pássaro me sobrevoa cortando o céu e a estrofe.
Seria o pássaro uma longarina?

Respiro fundo,
movendo a maré com menos destreza
do que os pequeninos.
Causo uma agitação que se revolta contra mim:
dez metros de poesia
me abocanham
me engolem
me digerem
devagar.

Volta o barco vazio à superfície;
meu corpo repousa em gozo
no fundo deste poço-mar.

(O eu-lírico se salva e chega à praia.
Seca-se ao sol.
Pensa sobre liberdade,
longarinas
e longas vidas etéreas.)

2 comentários:

  1. Oi, Larissa tudo bem? Adorei a poesia. Essa estrofe foi a mais tocante ao meu ver " Causo uma agitação que se revolta contra mim:
    dez metros de poesia
    me abocanham
    me engolem
    me digerem
    devagar". Suas poesias transmitem uma singelidade particular, mas ao mesmo tempo uma acidez agradabilíssima. Parabéns, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luciano! Tudo sim, e você?

      Gratíssima pelo comentário! Adorei a definição que deu à minha escrita poética 😊

      Abraços!

      Excluir