Na caixa abandonada

Na garagem se guarda a caixa
dos sonhos que não servem mais.

Não se doam sonhos,
nem se os descartam
nos caminhões que passam terça e quinta
às nove da manhã.
É preciso arranjar-lhes espaço
(em casas já tão apertadas)
assim que se apartam de nós.
É preciso enrolá-los em jornais velhos
— não porque se assemelhem a refugos de mudança
mas para que se distraiam com as notícias
do tempo em que tinham função.

(Além disso, distraídos, não ficam a nos chamar e a nos encher o saco.)

Depois se fecha a caixa.
Depois se guarda a caixa na garagem,
na prateleira mais alta,
tão longe da vista quanto possível for.
Depois se pensa nos ex-sonhos com carinho,
no tempo em que nos serviam,
e os imaginamos abandonados
na caixa abandonada
no canto abandonado.

Já leram as notícias todas.
De tédio, mataram-se uns aos outros
a amaldiçoar nosso nome
e os dêiticos dos jornais.

Formulário de contato (para a página de contato, não remover)