O resquício-fantasma


Apreciar
pelo débil instante em que vive
o poema de asas frágeis
que fulgura,
matutino,
dentre cortinas que balançam;
o poema pousado na cabeceira
arrepiado
recém-alevantado
de um travesseiro
recheado de onirismos;
o poema que cai,
fantasmático,
não se vê onde.
Um poema suposto.

4 Comentários

  1. Oi, Larissa. Como vai? Que maravilhoso este poema, mais uma de suas pérolas na forma de poesia. Parabéns! Você é a arte poética na vestida de mulher. Tudo que você escreve é belo. Estou com saudades de ler seus contos também, muito embora sua poesia sacia-me por completo. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luciano! Vou bem, e você?

      Fico tão agradecida por seu comentário tão bonito...! Muito obrigada, mesmo ♡

      Estou para disponibilizar uma coletânea de contos, a "Contos de descômodo", no próximo mês! Vou deixá-la na Amazon, inclusive gratuita por alguns dias, e também haverá a opção física para quem quiser adquiri-la e preferir nesse formato. Então fica o convite para conhecer a coletânea, porque será uma honra tê-lo como leitor ♡

      Abraço enorme e uma ótima semana para você!

      Excluir
  2. Adorei suas palavras.

    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir

Formulário de contato (para a página de contato, não remover)