Olhar os humanos

Há um céu sob minha cabeça
e um chão que
me mantém suspensa.
Estrelas me observam com curiosidade,
e eu a elas.
Talvez uma delas até diga
que sou uma estrela que já morreu.
Talvez lembre de mim com saudade.
Talvez pense
Há tantos-tantos-tantos
seres humanos no mundo
como pode haver
tantos-tantos-tantos
seres humanos no mundo?
Outra estrela se aproxima,
e diz
Eles parecem pequeninos
mas de perto
são ainda menores
do que parecem.
Outra estrela, com um movimento brusco,
vai caindo,
caindo,
caindo...
Faço um pedido:
Não sejam tão sinceras,
estrelas.
Nós ainda acreditamos em nós.

12 Comentários

  1. Gangorras vivas entre o tudo e o nada, o gigante e o ínfimo nos eis em cada.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, haha! Convivamos com isso. E com as estrelas.

      Excluir
  2. Como disse Sócrates, a pior ignorância é não ter consciência dela, que não sejamos mais pequenos ainda por não reconhecer nossa pequenez.

    blogpensamentosirreais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Cara, tu é genial! É claro para as estrelas, na tua voz, que ainda acreditamos em nós.
    Adoreiii!
    Feliz semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Ney ♡

      Tenha uma semana linda!

      Excluir
  4. Incríveis palavras!

    Boa semana!
    O blog está em Hiatus de Inverno entre 02 de agosto e 02 de setembro, mas comentaremos nos blogs amigos nesse período.

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  5. Fico com os olhos com estrelas aqui!
    Sua poesia me lembra de várias narrativas indígenas, eles tem tantas "gente estrela".

    Abraços,
    Gaby.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho muito vontade de me aventurar mais pelas narrativas indígenas, daí eu achar muito bonita a sua lembrança! Muito obrigada, Gaby ❤❤

      Abraço enorme pra ti!

      Excluir
  6. Sim! Ainda acreditamos em nós ♥
    Lindo!

    ResponderExcluir

Formulário de contato (para a página de contato, não remover)