Olhar os humanos

Há um céu sob minha cabeça
e um chão que
me mantém suspensa.
Estrelas me observam com curiosidade,
e eu a elas.
Talvez uma delas até diga
que sou uma estrela que já morreu.
Talvez lembre de mim com saudade.
Talvez pense
Há tantos-tantos-tantos
seres humanos no mundo
como pode haver
tantos-tantos-tantos
seres humanos no mundo?
Outra estrela se aproxima,
e diz
Eles parecem pequeninos
mas de perto
são ainda menores
do que parecem.
Outra estrela, com um movimento brusco,
vai caindo,
caindo,
caindo...
Faço um pedido:
Não sejam tão sinceras,
estrelas.
Nós ainda acreditamos em nós.

Dos (Trechos cansados e outros menos)

30.01.21. Os finais de tarde aos fins de semana têm essa melancolia que lhes é própria... Não sei defini-la, contudo. Não é a tristeza pelo dia que se vai nem o desespero causado por nova segunda-feira; são apenas uns pés cansados por dentro, almejando terras novas mas cansados por dentro. Eu não sei.



Registro disponível na zine (Trechos cansados e outros menos) enviada na newsletter! Mensalmente, envio conteúdos artístico-literários pela news, além de novidades e o resumo mensal do que acontece aqui no blog. A inscrição é gratuita. Caso você se interesse, é só deixar seu e-mail aqui 

Formulário de contato (para a página de contato, não remover)